BLOG DA ÁRBITRA SÍLVIA REGINA


EMOÇÃO AO LER

http://www.vozdoapito.com.br/silvia-regina-uma-vida-em-prol-da-arbitragem.php



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 23:48 [] [envie esta mensagem] []






CURSO - ÁRBITRAS - CONMEBOL - RAP

Conmenbol realiza curso de alto nível para árbitras

 

E-mail
10 de agosto de 2011 - 14:23
Curso Teórico-Prático de Alto Nível será realizado entre os dias 31 de agosto e 3 de setembro, em Assunção, capital do Paraguai.


A Comissão de Árbitros da Conmebol realizará um Curso Teórico-Prático de Alto Nível para Árbitras, entre os dias 31 de agostos e 3 de setembro, na cidade de Assunção no Paraguai. No mesmo também serão realizados testes físicos FIFA para as participantes. O curso será patrocinado pela Confederação Sul-Americana de Futebol e conta com o apoio do Programa de Desenvolvimento da Arbitragem da FIFA (RAP). O mesmo será dirigido pelas instrutoras Silvia Regina de Oliveira (Brasil - diretora da escola de árbitros da FPF/SP), na foto,  e Ana Pérez (Peru), com a assistência dos instrutoras do RAP.

Confira abaixo, a lista das árbitras que assistirão ao seminário:


ARGENTINA
Estela Álvarez de Oliveira (Árbitra)
Salomé Di Iorio (Árbitra)
Maria Laura Fortunato (Árbitra Assistente)


BOLÍVIA
Cándida Colque (Árbitra)
Sirley Cornejo Arana Árbitra)
Liliana Bejarano (Árbitra Assistente)


BRASIL
Simone Xavier de Paula e Silva (Árbitra)
Ana Karina Marques Alves (Árbitra)
Francielli Da Costa Bento (Árbitra)
Eveliny Pereira Da Silva (Árbitra)
María Eliza Barboza (Arbitra Assistente)


CHILE
Carolina Gonzalez Urrutia (Árbitra)
María Belén Carvajal Peña (Árbitra)
Loreto Andrea Toloza (Árbitra Assistente)


COLÔMBIA
Yeimi Martinez Valverde Árbitra)
Viviana Muñoz (Árbitra)
Luz Amalia Ruiz (Árbitra Asistente)


EQUADOR

Juana Delgado (Árbitra)
Betty Tobar Lozada (Árbitra)
Mónica Amboya (Árbitra Assistente)


PARAGUAI

Norma Beatriz Gonzalez (Árbitra)
Cynthia Franco Meza (Árbitra)
Rossana Salinas (Árbitra Assistente)


PERÚ
Silvia Reyes Juarez (Árbitra)
Melany Bermejo Guerra (Árbitra)
Gabriela Moreno (Árbitra Assistente)


URUGUAI
Gabriela Bandeira (Árbitra)
María Alejandra Trucidos (Árbitra)
Claudia Inés Umpierrez (Árbitra)
Luciana E. Mascaraña (Árbitra Assistente)


VENEZUELA
Yercinia Correa Cuadrado (Árbitra)
Yanina Mujica Camacaro (Árbitra)
Isley Delgado (Árbitra Assistente)


Fonte: Refnews


 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 21:23 [] [envie esta mensagem] []






CURSO PARA ÁRBITRAS DE ALTO NÍVEL

http://www.safergs.com.br/content/view/3247/



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 21:01 [] [envie esta mensagem] []






ÁRBITROS ADICIONAIS NO PAULISTÃO 2012

FIFA

 

INTERNATIONAL FOOTBALL ASSOCIATION BOARD – IFAB

 

PROTOCOLO DO EXPERIMENTO COM  ÁRBITROS ASSISTENTES ADICIONAIS

Deveres

 

Dois árbitros assistentes adicionais ajudarão o árbitro no controle do jogo de acordo com as Regras do Jogo (Laws of the Game), principalmente dentro da área do pênalti ou quando o árbitro assistente adicional tenha uma melhor visão que a do árbitro.  Seus deveres incluirão comunicar ao árbitro quando a bola inteira  sair fora do campo de jogo e se um gol foi marcado ou se um tiro de canto ou um chute a gol deverá ser concedido.  Ele também indicará quando, na cobrança de pênalti, o goleiro sairá da linha de meta antes da bola ser chutada.

 

A decisão final sempre será tomada pelo árbitro.

 

Um árbitro assistente adicional não ocupará o lugar do árbitro ou árbitros assistentes se qualquer um desses oficiais do jogo não for capaz de continuar.

 

Todos os árbitros assistentes adicionais deverão ser árbitros em atividade, de preferência do mesmo nível do árbitro principal, ou então do nível mais elevado possível (já que as decisões a serem tomadas são as que os árbitros tomam comumente e aquelas que ocorrem em posições críticas de mudança em jogo).

 

O árbitro assistente ajudará ao árbitro no controle do jogo, porém não terá nenhuma responsabilidade direta pela adjudicação de decisões na  linha de meta ou de indicar quando, na cobrança de pênalti, o goleiro sairá da linha de meta antes da bola ser chutada.

 

Sistema de sinalização

 

Os árbitros assistentes adicionais deverão usar somente um sistema de comunicação por rádio e não bandeiras para comunicar decisões ao árbitro.

 

No caso de falha no sistema de comunicação por rádio, os árbitros assistentes adicionais usarão o sinal do bip eletrônico da bandeira para indicar suas decisões.  Não usar sinais com a mão.

 

Posicionamento

 

O posicionamento dos árbitros assistentes adicionais será atrás da linha do gol à direita de cada gol (olhando da marca do centro).  Eles poderão mover-se pela linha do gol para ter uma melhor visão, mas nunca entrar no campo do jogo.

 

O árbitro continuará usando o padrão de corrida diagonal normal.

 

O posicionamento dos árbitros assistentes adicionais será na linha lateral alinhado com o penúltimo zagueiro ou a bola.  Na tomada de cobrança de pênaltis, ele também deverá se posicionar alinhado com o penúltimo zagueiro.



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 15:44 [] [envie esta mensagem] []






ESCOLA DE ÁRBITROS FLÁVIO IAZZETTI

Arbitragem

Escola de Árbitros inicia mais um curso para formar novos talentos

11.07.2011

Alessandro Yara Rossi
Especial para o site da FPF


Com 57 anos de existência, a Escola de Árbitros Flávio Iazzetti da Federação Paulista de Futebol inicia nesta segunda-feira, o curso preparatório para quem procura ingressar nesta carreira. Sílvia Regina de Oliveira, Roberto Perassi e Márcio Brandão serão os instrutores técnicos, com participações em pontos determinantes, de nomes como os de Cleber Wellington Abade e Vicente Romano Neto, além de convidados: Paulo Cesar de Oliveira, Carlos Eugênio Simon e Sálvio Spínola Fagundes Filho.

Foto: Vinicius Rodrigues
Aula inaugural do curso aconteceu no Salão Nobre da Federação Paulista de Futebol, que ficou lotado
Com 300 candidatos inscritos, 120 foram selecionados e terão a formação de um ano e meio, grade curricular extensa, exemplificando a regra do jogo e a parte prática.

O curso se dividirá em três módulos divididos por semestre onde o aluno irá aprender as regras do jogo, parte física, além de cumprir todo o teste aplicado pela FIFA e as suas diretrizes.

A diretora da Escola de Árbitros, Sílvia Regina mostrou-se empolgada com o início do curso. “É o primeiro como diretora que pego desde a abertura até o encerramento e espero formar o meu primeiro árbitro FIFA. Quero que os alunos tenham consciência do que é ser um árbitro de futebol, isso é o mais importante. Às vezes as pessoas fazem o curso e acham que irão apitar no Morumbi ou Pacaembu depois que se formarem. Quero que olhem a importância em ser árbitro também no sub 11, sub 15 e campeonatos femininos”, declarou a ex-árbitra.

Segundo pesquisa realizada na Escola de Árbitros a maioria dos inscritos já atuaram em jogos amadores de seus bairros ou cidades e por isso possuem alguma experiência na área, o que deve facilitar no entendimento das aulas.

Sobre a procura do público feminino, a instrutora do curso acredita que seja maior que no ano passado. “Elas se interessaram bastante, espero que a gente forme também árbitras que queiram apitar o jogo efetivamente”, afirmou Sílvia Regina.

Foto: Vinicius Rodrigues
Mayra é jovem, faz faculdade de esportes e viu na arbitragem uma possibilidade de seguir carreira
Para a aluna Mayra de Moura, de apenas 21 anos a paixão pelo esporte falou alto na hora de escolher uma área ligada ao futebol. “Tomei um rumo diferente de algumas amigas que é a parte de arbitragem e como faço faculdade de esportes me interessei pelo curso”, contou a postulante a ser árbitra futuramente.

Já Wendel Soares, de 26 anos, o curso é uma grande oportunidade em fincar seu nome no cenário do apito. “A expectativa é grande em fazer um curso legal e poder atuar. Realmente todo brasileiro sonha em ser jogador de futebol, mas compatível com isso, desenvolvi interesse pela arbitragem, tive vontade e curiosidade e tenho que aproveitar esta chance”, afirmou Soares.

Roberto Perassi, um dos instrutores, destacou a importância de ser um árbitro reconhecido e renomado. “Basicamente constitui em um futuro interessante para a arbitragem não só em São Paulo, como no Brasil e na América. Quando iniciamos o curso a visão é de futuro, de gente que venha desenvolver o seu trabalho e que atinja os maiores patamares possíveis”, analisou Perassi.

Segundo ele não existe nada melhor que ver um aluno que ele ministrou aulas se destacando no cenário. “A emoção é gigantesca, porque temos muitos árbitros que passaram por aqui e chegaram a níveis internacionais, por isso espero que agora não seja diferente e no futuro estes jovens cheguem ao estrelato”, contou Perassi.




 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 16:22 [] [envie esta mensagem] []






RELATÓRIO DE ARISTEU TEVARES - FUTURO III

http://www.apitonacional.com.br/noticias/futuro3.htm

ESTE FOI O MEU QUINTO CURSO DE INSTRUTORES PELA FIFA.



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 19:44 [] [envie esta mensagem] []






MAIS FOTOS

CARÍSSIMOS VISITEM TAMBÉM: www.silviaregina.nafoto.net



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 23:19 [] [envie esta mensagem] []






NOVIDADES:

PARA SABER ALGUMAS NOTÍCIAS DE SILVIA REGINA ENTRE EM ALGUM DESTES LINKS:

MULHERES COMANDANDO O ESPORTE:

      http://esportes.r7.com/videos/veja-quais-foram-as-primeiras-mulheres-a-se-aventurar-no-mundo-do-futebol-/idmedia/eda5414f78f8f0cd4c7d36beecf251eb.html

 

ÁRBITROS DE OUTROS PAÍSES EM NOSSA FEDERAÇÃO

ÁRBITROS DE PAÍSES AFRICANOS E DA JAMAICA ESTIVERAM FAZENDO UM TREINAMENTO EM SÃO PAULO, VEJA:

http://www.futebolpaulista.com.br/tvfpf.php?cod=1638

 

ÁRBITRO ASSISTENTE ADICIONAL

    COMEÇOU O TREINAMENTO PARA O CAMPEONATO PAULISTA 2011.

    NOSSOS ÁRBITROS VÃO TRABALHAR BASTANTE.

      ABAIXO OS LINKS ONDE PODERÁ ACOMPANHAR INFORMAÇÕES IMPORTANTES DITERAMENTE DO SITE DA FPF.

   http://www.futebolpaulista.com.br/info_texto.php?cod=42831

   http://www.futebolpaulista.com.br/info_texto.php?cod=42893

   http://www.futebolpaulista.com.br/tvfpf.php?cod=1564

   http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=1363&t=Campeonato+Paulista+ter%E1+mais+dois+assistentes+em+campo

    http://www.futebolpaulista.com.br/info_texto.php?cod=27812

    http://www.futebolpaulista.com.br/info_texto.php?cod=27676

   

  



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 15:54 [] [envie esta mensagem] []






CURSO DE ÁRBITROS DA FPF

Federação Paulista abre inscrições para curso de árbitros

04/02/2011

A Federação Paulista de Futebol (FPF) abriu inscrições para o curso de árbitros de futebol, que é organizado pela Escola de Árbitros Flávio Iazzetti (EAFI), sob o comando da Diretora Silvia Regina de Oliveira, ex-árbitra FIFA, atual instrutora FIFA.

Para ser aceito no curso de 2011, o candidato deve preencher uma ficha de cadastro no site da entidade e então participar de um rigoroso processo de pré-seleção, que inclui avaliação teórica, perfil psicológico e análise de documentos apresentados. É necessário que o candidato tenha completado o ensino médio, tenha boa conduta social e não registre antecedentes criminais e civis.

O período de inscrições vai até o dia 28 de fevereiro, às 16 horas, e é feito exclusivamente pela internet. O valor da inscrição é de R$ 80,00 (oitenta reais) e deverá ser pago via boleto bancário, que é emitido ao final do processo de inscrição eletrônica.

Depois de aprovado no processo de seleção, o candidato poderá se incresver no curso. A matrícula custa R$ 500,00 (quinhentos reais) e as mensalidade terão o mesmo valor, paga por meio de boleto até o dia 10 de cada mês.

O curso de árbitro turma 2011/2012 será composto de três módulos de seis meses cada e terá seu início em julho de 2011, com aulas previstas para o grupo 1, nas segundas-feiras das 18:00 às 21:00 horas e para o grupo 2, aos sábados das 9:00 às 12:00 horas. Os 3 módulos serão: Módulo A – Aulas Teóricas, Módulo B – Aulas Teóricas/ Práticas, Módulo C – Aulas Práticas.

O aluno da EAFI, ao término de cada módulo, será sabatino em prova e deverá obter índice de aprovação para estar habilitado e ter direito a prosseguir no módulo seguinte. Após o terceiro módulo, haverá exame físico e teórico final. Somente os aprovados seguirão para o estágio probatório.

No estágio probatório o aluno será considerado estagiário e participará de jogos oficiais da FPF de acordo com as designações da Comissão Estadual de Arbitragem de Futebol (CEAF). De acordo com o Regulamento da Arbitragem, o estagiário fará parte da categoria 5 (cinco).

Do início do curso até o final do estágio probatório será verificado, a qualquer tempo, nos termos do regulamento da EAFI e da CEAF, aptidão para ser árbitro de futebol; conduta social, reputação e idoneidade ilibadas; dedicação ao curso e ao estágio; aproveitamento escolar; perfil psicológico compatível com a função; preparo físico adequado; condições adequadas de saúde física e mental; aprovação nas provas físicas e teóricas a que for submetido.

Ao final do estágio probatório o estagiário deverá cumprir satisfatoriamente todas as avaliações e pesquisas acima citadas para então ser diplomado como árbitro de futebol formado pela EAFI / FPF. Ressaltamos que, dependendo da necessidade,  fica a critério da COMISSÃO DE ÁRBITROS DA FPF incluir o diplomado na RELAÇÃO ESTADUAL DE ÁRBITROS.



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 14:44 [] [envie esta mensagem] []






MULHERES NA VILA FAMOSA

Árbitras inauguram novo gramado da Vila Belmiro

05/02/2011

O estádio Urbano Caldeira do Santos Futebol Clube, também conhecido como Vila Belmiro, teve seu gramado totalmente reformado. O antigo havia sido retirado e um novo e moderno piso foi colocado no lugar.

A estreia ocorreu na tarde de hoje em uma partida amistosa entre as equipes femininas do Santos e a seleção da Coréia do Norte, em partida de despedida da Rainha Marta, a melhor jogadora do mundo por 5 vezes. Marta deve voltar para os Estados Unidos.

As meninas da Federação Paulista de Futebol foram as árbitras da partida, comandada pela árbitra Regildênia Holanda de Moura e pelas assistentes Renata Ruel e Clarice Ferreira.

O técnico Adilson Batista aprovou e elogiou o gramado, e a equipe principal vai estrear na próxima sexta-feira, em jogo contra o Noroeste, válido pela oitava rodada do Campeonato Paulista. A equipe profissional deve fazer treinos durante a semana para se ambientar ao seu novo palco.

A troca do gramado da Vila Belmiro está sendo realizada após 14 anos. A providência foi tomada assim que o clube alugou o estádio para a realização do show de Luan Santana, ídolo teen da música sertaneja, que se apresentou na Vila no último dia 19 de dezembro.

O Santos cobrou cerca de R$ 150 mil para alugar a Vila, preço aproximado com o que está sendo gasto com a troca do gramado.

Foto: Reprodução / UOL



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 14:39 [] [envie esta mensagem] []






MULHERES NO PODER

    PODEMOS PERCEBER QUE ESTA MATÉRIA É FEITA POR MULHERES.

    PARABÉNS!

    VEJA O LINK:

      http://esportes.r7.com/videos/veja-quais-foram-as-primeiras-mulheres-a-se-aventurar-no-mundo-do-futebol-/idmedia/eda5414f78f8f0cd4c7d36beecf251eb.html

 



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 00:55 [] [envie esta mensagem] []






NOSSO TRABALHO NO JORNAL NACIONAL

SINTO-ME FELIZ AO VER QUE O SUOR DE NOSSO TRABALHO E A EXPERIÊNCIA EM MUNDIAIS, CLÁSSICOS, ABERTURAS, FINAIS, JOGOS DE 75.000 MIL TORCEDORES E ATÉ JOGOS EM CAMPOS DE TERRA, SERVEM PARA MELHORAR O NÍVEL DA ARBITRAGEM PAULISTA.

PARA QUEM JÁ APITOU JABOTICABAL X SERTÃOZINHO, UNIÃO BARBARENSE X RIO BRANCO, PAULISTA X PONTE PRETA, COMERCIAL X FRANCANA, BOTAFOGO X COMERCIAL, SÃO BENTO X ATLÉTICO DE SOROCABA, TAUBATÉ X SÃO JOSÉ; FICA  FÁCIL APITAR UM SÃO PAULO X CORINTHIANS E PARA FALAR AOS NOSSOS NOVOS ÁRBITROS DA IMPORTÂNCIA DE TRABALHAR EM UM PAULISTÃO A LINGUAGEM FICA FÁCIL DE SER ENTENDIDA. A EXPERIÊNCIA ESTAMPADA NAS RUGAS E CABELOS BRANCOS, DÁ AOS ÁRBITROS A CREDIBILIDADE NECESSÁRIA PARA SER RESPEITADA.

VEJA O LINK:

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/01/assistentes-atras-do-gol-sao-novidade-dos-campeonatos-estaduais.html

POUCOS SÃO AQUELES QUE CONSEGUEM REALIZAR O NOSSO TRABALHO, MUITOS SÃO OS SÓ SABEM DAR PALPITES.

PARABÉNS SENHORES ÁRBITROS, ÁRBITRAS, DIRIGENTES E INSTRUTORES DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL.

 

 

 



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 23:51 [] [envie esta mensagem] []






ARBITRAGEM PAULISTA, DE MULHERES É CLARO!

 
 
REPúDIO
 
NA PRÓXIMA MATÉRIA MUITOS FATOS IMPORTANTES SÃO DESTACADOS, PORÉM A DECLARAÇÃO DE ALGUÉM QUE DEMONSTRA POUQUÍSSIMO CONHECIMENTO SOBRE MULHERES E A ARBITRAGEM FEMININA, ME RESSALTOU AOS OLHOS.
 
AVISOS AOS DESINFORMADOS:
A MESNTRUAÇÃO NÃO ATRAPALHA A MULHER EM SUAS ATIVIDADES ESPORTIVAS;
A ATIVIDADE FÍSICA EXERCIDA PELA ÁRBITRA É UM FATOR IMPORTANTE NO EQUILÍBRIO HORMONAL;
CHORAMOS SIM COMO QUALQUER PESSOA, PORÉM, DESCONHEÇO QUALQUER ÁRBITRA QUE TENHA ABANDONADO A CARREIRA POR FALTA DE RESPEITO DO TORCEDOR;
AS MULHERES QUE TRABALHAM NO QUADRO DE ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, SUPORTAM SIM MUITA PRESSÃO, POIS SE ASSIM NÃO FOSSE, NÃO SERIAM ÁRBITRAS.
 
SILVIA REGINA DE OLIVEIRA
 

São Paulo, pólo nacional da arbitragem feminina

Em cinco anos, quantidade de árbitras no futebol do estado quase dobrou

O desenvolvimento do futebol feminino ao redor do mundo, além de revelar grandes talentos e representar mais um passo na luta feminista por direitos iguais, abriu caminho para um novo campo de trabalho para as mulheres: a arbitragem. Atualmente, só em São Paulo são 21 mulheres que seguem a carreira. Em 2005, por exemplo, havia apenas 12 árbitras no Estado. Silvia Regina de Oliveira, diretora da escola de árbitros Flávio Iazzeti, passa para as alunas o que aprendeu nos gramados.

Se comparar com o restante do país, o futebol paulista é o que mais conta com profissionais do sexo feminino na arbitragem, quase a metade das 48 árbitras espalhadas por todas as regiões. De acordo com Roberto Perassi, professor da Escola de Árbitros da Federação Paulista de Futebol, este número só tende a aumentar. “Para a nossa próxima turma da escola, temos mais de dez mulheres inscritas, com certeza daqui alguns anos teremos um número ainda maior”.

A dificuldade encontrada por uma mulher ao seguir os caminhos da arbitragem pode ser ainda maior do que a de um homem. É o que explica o psicólogo dos árbitros da Federação Paulista de Futebol, Gustavo Korte. “O ser feminino sofre com muitas alterações hormonais, esse ponto deve trabalhado com muito cuidado. Até mesmo o fato da menstruação pode atrapalhar a arbitra durante uma partida, por isso é algo muito sério”, argumentou.

Acostumado a acompanhar o trabalho da arbitragem de perto, Korte relata que algumas experiências marcaram sua carreira. “Na carreira do árbitro de futebol, muitas vezes há a falta do respeito da parte torcedor. Eu já vi algumas mulheres chorando após os jogos. A pressão é muito forte e algumas não aguentam”, explica.

Na década de 90, com o surgimento de campeonatos internacionais oficiais, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) criou um quadro exclusivo para arbitras, fazendo com que o que era profissão exclusiva dos homens, passasse a fazer parte do universo feminino. No entanto, seus trabalhos eram restritos às partidas de futebol feminino.

Marco histórico

No dia 30 de junho de 2003, São Paulo e Guarani se enfrentavam pelo Campeonato Brasileiro. O que era para ser apenas mais um jogo entrou para a história do futebol nacional. Silvia Regina de Oliveira era a dona do apito naquela tarde e se tornava a primeira mulher a trabalhar como árbitra principal de futebol na história do Brasileirão.

“Na época, era apenas mais um jogo, que exigiria concentração, dedicação e trabalho, assim como todos os outros”, lembra Silvia.

No entanto, hoje ela reconhece que o acontecimento foi além de uma simples partida. “Agora que encerrei minha carreira, sei que ser a primeira mulher a apitar jogos da Série A de um campeonato no país do futebol é uma grande honra”, disse.

Atualmente, a ex-árbitra é diretora da Escola de Árbitros Flávio Iazzetti, da Federação Paulista de Futebol, e um dos maiores exemplos para aquelas que querem se aventurar entre as quatro linhas.

Silvia conta que atualmente encara com naturalidade a presença de uma mulher em campo, e que a prática está ficando cada vez mais comum. A questão do preconceito, ela garante que ficou no passado. “Com o tempo provamos que somos capacitadas da mesma forma que qualquer homem”.

Maria Eliza e Aline Lambert são outros exemplos de juizas bem sucedidas no futebol paulista. “É uma satisfação muito grande saber que a mulher está conquistando cada vez mais espaço no futebol, tanto com atletas quanto como árbitras”, disse Maria Eliza.

No entanto, o caminho para se tornar uma árbitra de respeito não é simples, e a responsabilidade é algo que não pode ser deixado de lado. Ana Paula de Oliveira, assistente que marcou época em meados do ano 2000, seguiu um caminho diferente das demais. Após posar para uma revista masculina e participar de um reality show na TV, sequer foi selecionada para exercer sua função em 2010.

Dentro de campo, o respeito por parte dos atletas muitas vezes é esquecido. Mesmo sabendo que estão falando com uma mulher, o palavreado não costuma ser dos mais educados. Contudo, Arthur Oyama, lateral-esquerdo do Santo André, garante que o árbitro sempre é a autoridade, não importa o sexo. “O juiz, independente de ser homem ou mulher tem que ser respeitado dentro de campo. Indisposições e erros durante o jogo acontecem, mas a qualidade do árbitro não depende do sexo”, disse.

Já Maurício Salgado, técnico do time feminino do São Caetano, acredita que ainda há muito machismo. “Por um lado, as mulheres acabam sendo respeitadas em algumas situações simplesmente por serem mulheres. Por outro, há um certo machismo em relação ao fato de ser mulher e alguns erros que homens cometem e até são aceitos, com as mulheres não acontecem o mesmo”.

Entretanto, o treinador também acredita que a situação está melhorando nos gramados brasileiros, principalmente nos grandes centros do esporte. A presença da mulher em vários cenários levou um certo tempo para se consolidar. E no futebol não parece ser diferente. “Como o futebol tem crescido na modalidade feminina, isso também deveria ocorrer em todos os âmbitos, não só dentro de campo, como na arbitragem e em comissões técnicas. Eu acredito no potencial feminino, mas a experiência no meio ainda é recente e precisa se desenvolver”, completa.

Fonte: Univ. Metodista de São Paulo
Autores: Fausto Monteiro, Felipe Pugliese, Lorelay Mendes e Thais Romanelli

http://www.metodista.br/rronline/noticias/esportes/2010/05/sao-paulo-vira-polo-nacional-da-arbitragem-feminina



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 23:39 [] [envie esta mensagem] []






A NOVAS GAROTAS DO APITO

 As Árbitras do Paulistão 2011

Árbitras do Paulistão lidam com cusparada, ameaça de cartola e assédio da Playboy. Além de dedicadas, as árbitras do Campeonato Paulista também são vaidosas.

Maria Eliza é assistente do quadro da FIFA

Maria Elisa não entra em campo sem maquiagem. Tatiane não esquece o gel do cabelo e Regildênia limpa as chuteiras até com água mineral. Mais que a vaidade, essas mulheres têm em comum uma profissão bem masculina e, em campo, precisam esquecer o lado ‘mulherzinha’ para se impor como árbitra de futebol.

Além de conciliar duas profissões, elas convivem com as adversidades do jogo: xingamentos constantes da torcida, cobrança da imprensa diante de erros e situações mais complicadas como cusparadas e ameaças de dirigentes.

Árbitra assistente há dez anos, Maria Elisa Correia aprendeu a conviver com os percalços e ainda foi alçada ao posto de musa. A assistente foi convidada para posar nua na Playboy, em 2008, após a mais famosa das colegas, Ana Paula de Oliveira, trilhar o caminho e sair na capa da revista. Mas Maria Elisa manteve o foco no trabalho e não aceitou o convite, apesar de admitir ter ficado lisonjeada.

“Um dia te colocam como musa, um dia não vão colocar. Eu já achava que poderia acontecer por causa da Ana Paula, mas nem pensei em estudar a proposta. Não é minha linha de trabalho. Fiquei envaidecida, é bom te acharem bonita, mas não me iludo com isso”, disse ela, que reconhece a vaidade e não dispensa salto alto e maquiagem no dia-a-dia.

Maria Elisa concilia a carreira com a de professora de Educação Física em Ituverava, no interior de São Paulo. A bandeira tem chancela da Fifa e está acostumada à pressão dos clássicos paulistas. É com perfeccionismo que procura crescer. Ela grava todos os seus jogos para observar posteriormente e se orgulha das poucas falhas na carreira.

Tatiane Saciloti é uma das assistentes estreantes no paulistão 2011

Porém, já foi vítima da linha tênue que separa acertos e erros. Na final do Paulista de 2010 entre Santos e Santo André, Maria Elisa assinalou impedimento num gol legal do time do ABC. “Eu errei, me cobro muito, mas bola pra frente. Em dez anos de carreira, talvez tenha três erros de que as pessoas se lembram. Por ser um meio masculino, acho que dão mais ênfase aos erros das mulheres”, ponderou.

Tatiane Saciloti ainda vai entender essa pressão. Em 2011, fará sua estreia na Série A1 do Paulistão como assistente, mas já com a bagagem adquirida ao longo dos sete anos que passou nas divisões inferiores.

Na Série A2, em uma partida do Velo Clube, ela teve de sair de campo com a camisa toda molhada por causa das cusparadas da torcida, mas manteve a concentração e terminou o jogo normalmente. O momento mais tenso da carreira, no entanto, foi ser ameaçada pelo dirigente de um clube do interior, que chutou a porta do vestiário após a partida e ameaçou: “você não sai daqui viva”.

Apesar de ter apenas 24 anos, ela fala com naturalidade e admite que interferir no resultado é o pavor de qualquer árbitro, além de jamais rever um lance no intervalo e de, muitas vezes, faltar convicção nas marcações de impedimento. “Bate a dúvida, mas não dá para pensar em nada. Tenho que decidir e pronto. Em três segundos”.

Quem fatalmente irá passar por esse tipo de polêmica no Paulistão-2011 é Regildênia de Holanda Moura. A central trabalhará como árbitra adicional atrás do gol na nova função criada para ajudar em lances polêmicos na grande área.

Mas ela não se intimida, ao contrário, gosta do desafio. Prova disso é que está entre as três únicas árbitras centrais do quadro da Federação Paulista de Futebol para apitar o estadual. Para se impor diante dos homens, ela deixa o alegre jeito nordestino de lado e incorpora a cara sisuda.

Regildênia estreou como árbitra adicional na primeira divisão

“Acho que as mulheres preferem bandeirar porque se intimidam no centro do campo. Não vou me achar a menininha do jogo, não fico melindrada. O cara vai testar e preciso ser forte. Mas é gostoso quebrar tabus, vencer algo mais difícil. Parece droga, veneno na veia”, afirmou.

Regildênia escolheu ser central justamente por causa de um homem, o ex-marido, que a aconselhou dizendo que era mandona e autoritária demais. Ela leva a profissão tão a sério que decidiu não ter filhos, tampouco outra atividade.

Agora, terá um ganho financeiro importante, já que um árbitro central da Série A1 ganha cerca de R$2 mil por jogo, enquanto o assistente recebe R$1 mil. Na Série A2, os valores caem praticamente pela metade e diminuem proporcionalmente de acordo com as divisões. Compensação para quem tem a dificil tarefa de aliar a vaidade feminina à firmeza para conter atletas, torcedores e dirigentes raivosos.

Fonte: UOL Esporte
Link: http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2011/01/18/arbitras-do-paulistao-lidam-com-cusparada-ameaca-de-cartola-e-assedio-da-playboy.jhtm



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 16:21 [] [envie esta mensagem] []






ÁRBITROS DE OUTROS PAÍSES EM NOSSA FEDERAÇÃO

ÁRBITROS DE PAÍSES AFRICANOS E DA JAMAICA ESTIVERAM FAZENDO UM TREINAMENTO EM SÃO PAULO, VEJA:

http://www.futebolpaulista.com.br/tvfpf.php?cod=1638



 Escrito por Sílvia Regina de Oliveira às 18:06 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 





BRASIL, Sudeste, SANTO ANDRE, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, Esportes









 
 




FOTOS DE ÁRBITRA
ALBERTO HELDER